A distribuição geográfica da riqueza mundial.

Artigo de José Eustáquio Diniz Alves

Publicado em julho 18, 2013 por 

 

A distribuição geográfica da riqueza mundial

 

[EcoDebate] O relatório sobre a riqueza global, em 2012, do banco Credit Suisse (The Credit Suisse Global Wealth Report 2012) traz um quadro bastante amplo e esclarecedor da distribuição geográfica da riqueza (patrimônio) das pessoas adultas do mundo. A riqueza global foi estimada em USD$ 223 trilhões em 2012 (meados do ano). Como havia 4,59 bilhões de pessoas adultas no mundo, a riqueza per capita por adulto foi de USD$ 49.000,00 (quarenta e nove mil dólares).

As regiões com riqueza superior a USD$ 100 mil são América do Norte (Estados Unidos com patrimônio médio de USD$ 262 mil e Canadá com USD$ 228 mil), Europa Ocidental (menos Portugal e Grécia), sendo França com patrimônio médio de USD$ 265 mil e Reino Unido com USD$ 250 mil, Oceania (Austrália e Nova Zelândia), Japão (com patrimônio médio de USD$ 270 mil) e Singapura (com USD$ 258 mil, além de diversos países do Oriente Médio. Os três países no topo da riqueza, em 2012, são Suíça (com patrimônio médio de USD$ 470 mil), Austrália (com USD$ 350 mil) e Noruega (com USD$ 33O mil).

Entre os países com patrimônio médio entre USD$ 25 mil a USD$ 100 mil se destacam México, Chile, Uruguai, Portugal, Turquia, Arábia Saudita, Malásia, Coreia do Sul, etc. Nenhum país africano atinge esta faixa de riqueza.

Entre os países com patrimônio médio entre USD$ 5 mil a USD$ 25 mil se destacam Brasil (com USD$ 24.600), China (com USD$ 20.452), Rússia (com USD$ 12.161), além de Argentina, Peru, África do Sul, Egito, Argélia, Indonésia, etc.

Já os países com patrimônio médio abaixo de USD$ 5 mil estão predominantemente no hemisfério sul ou do chamado “sul global”. Dentre eles estão Índia (com USD$ 4.250), Paquistão, Bangladesh, além de Bolívia e a maioria dos países africanos ao sul do Saara. As desigualdades na distribuição geográfica da riqueza ficam claro no mapa mundi contemporâneo.

Contudo, a maioria dos países muito ricos (exceto Áustria, Nova Zelândia, Canadá, Suécia, Noruega) possuem alto déficit ambiental, pois possuem pegada ecológica per capita bem superior à biocapacidade per capita. A continuidade da riqueza destes países depende do superávit ambiental de alguns países como Brasil, Rússia, Argentina, República Democrática do Congo, etc.

A situação mais grave é a dos países pobres e com déficit ecológico, tais como Paquistão, Filipinas, Sri Lanka, Haiti, Yemen, Uganda, Ruanda, Quênia, Senegal, Nigéria, etc. Para complicar, estes países de baixa renda e com problemas ambientais ainda possuem altas taxas de crescimento demográfico e uma estrutura etária jovem. Isto significa maiores problemas sociais e ambientais.

Na pirâmide da riqueza humana 8,1% da população mais rica concentrava 82,4% da riqueza mundial, em 2008, enquanto 69,3% da população da base da pirâmide era proprietária de apenas 3,3% do patrimônio mundial. Em termos de riqueza, o mapa mundi está divido em países ricos (minoria da população) e países pobres (maioria da população). Em termos ambientais, também existem países ricos e pobres, mas a degradação ambiental está avançando em ambos, inclusive nos países ricos de patrimônio material.

Redistribuir a riqueza humana pode ser uma solução social. Mas recuperar a capacidade regenerativa da Terra e a riqueza natural da biodiversidade é um imperativo moral e econômico. Não é sustentável e viável construir uma civilização humana rica sobre uma Terra transformada em um grande aterro sanitário e sobre um território transformado em terra arrasada.

Referência:
The Credit Suisse Global Wealth Report 2012. Zurich, Switzerland. 20 September 2012

José Eustáquio Diniz Alves, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em demografia e professor titular do mestrado em Estudos Populacionais e Pesquisas Sociais da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE; Apresenta seus pontos de vista em caráter pessoal. E-mail: jed_alves@yahoo.com.br

 

EcoDebate, 18/07/2013


 [ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s