Suíça restringe imigração e vira exemplo na Europa

Suíça restringe imigração e vira exemplo na Europa

Partidos de extrema direita usam referendo suíço para pressionar pela aprovação de leis contra entrada de estrangeiros no continente

Jamil Chade, correspondente – O Estado de S.Paulo

GENEBRA – O arqueólogo alemão Christoph Höcker pediu demissão de seu cargo como professor da Universidade de Zurique para voltar ao seu país de origem. O motivo: a xenofobia. A gota d’água foi o resultado do referendo de fevereiro, na Suíça, que aprovou um projeto da extrema direita que fecha parcialmente as fronteiras do país para os estrangeiros.

Para Jean Ziegler, SVP 'inventou' o problema - JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão
Para Jean Ziegler, SVP ‘inventou’ o problema
“Cada vez mais políticos dizendo que os alemães deveriam desaparecer. Por bem, é isso que estou fazendo”, escreveu o arqueólogo. “Não aceito mais o clima de xenofobia da Suíça. Estive em muitos países, mas nunca vi o que está acontecendo na Suíça nos últimos tempos.”

No mês passado, o referendo aprovou por diferença mínima um projeto que acaba com a livre circulação de trabalhadores europeus e estabelece limites para a entrada de estrangeiros. A decisão mostra que muitos europeus estão perdendo a vergonha de dizer abertamente que são contra a imigração.

Para governos, o resultado foi um alerta sobre uma tendência cada vez mais conservadora da sociedade. Já para os diversos partidos de extrema direita, o referendo serviu para mobilizar recursos para as eleições de maio para o Parlamento Europeu.

O projeto foi apresentado pelo Partido do Povo Suíço (SVP, na sigla em alemão). Um mês antes da votação, a lei não tinha mais do que 30% de apoio. A estratégia foi manter a campanha discreta por meses. Quando faltavam duas semanas, o partido inundou o país com pôsteres de mulheres islâmicas de véu entrando na Suíça. Funcionou.

Oficialmente, a União Europeia anunciou que poderia retaliar Berna em razão da decisão, suspendendo tratados de investimentos e recursos financeiros para projetos científicos. Bruxelas também anunciou o fim de parcerias para o intercâmbio de estudantes. A preocupação dos políticos europeus não é o destino dos estrangeiros na Suíça, mas o fato de que, a partir de agora, partidos radicais usarão o exemplo suíço para forçar a aprovação de leis parecidas.

Christian Ragger, do Partido da Liberdade, na Áustria, é um dos que já prepara uma campanha para seguir o mesmo caminho. “Os suíços mostraram muita coragem”, disse. “O resultado da votação é exemplar.”

Analistas austríacos, como Claudia Grabner, acreditam que o caso suíço pode dar coragem a muita gente que, por muitos anos, evitou apoiar partidos de extrema direita. Para o cientista político suíço Wolf Linder, o referendo mostrou que “os suíços descobriram que podem fazer oposição ao processo de globalização ou de europeização”.

A popularidade dos partidos de extrema direita aumentou desde o referendo suíço. Na França, o Fronte Nacional já teria 34% de apoio e declarou que o referendo é uma “prova de lucidez” da Suíça. Ragger, na Áustria, disse que sondagens apontam que eles poderiam ter 30% de votos nas eleições de maio.

Nigel Farage, líder do Partido da Independência, da Grã-Bretanha, classificou o resultado na Suíça como “uma ótima notícia para quem ama a liberdade na Europa”. Comentários semelhantes foram feitos por extremistas na Holanda e em países escandinavos, que acusam seus governos de não fazerem nada para barrar a imigração.

Em muitas partes da Europa, a crise, o desemprego e as incertezas levaram partidos como a Aurora Dourada, na Grécia, a surpreender e ganhar assentos no Parlamento. No entanto, o que chama a atenção no caso da Suíça é que o resultado ocorre numa sociedade com a menor taxa de desemprego da Europa, uma das maiores rendas per capita do mundo, uma democracia sólida e onde se fala quatro idiomas oficiais.

Sociólogos acusam o SVP de ter “criado artificialmente um problema” para atrair apoio. Prova disso, segundo o cientista social Jean Ziegler, é que os votos que garantiram a aprovação da lei vieram de zonas rurais, onde os imigrantes são minoria. Nas cidades, com até 30% de estrangeiros, a proposta foi rejeitada. “Há uma instrumentalização do ódio”, alertou Ziegler.

Números revelam que nunca a Europa expulsou tantos estrangeiros. Foram mais de 350 mil apenas em 2013. Na Suíça, discurso radical não é acompanhado por estatísticas. “Os estrangeiros não entendem nossa sociedade”, disse Oskar Stürmer, um dos líderes do SVP. “Por exemplo, os suíços não vão diretamente ao hospital quando estão doentes. Eles passam antes pelos médicos. Os imigrantes, vão. E somos nós que pagamos a conta.”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s