As grandes virtudes

Entrevista. Viviane Mosé

André de Oliveira

15 Agosto 2015 | 16h 00

Intolerância. Significa intransigência em relação a opiniões, atitudes, crenças ou modos de ser que reprovamos e julgamos falsos. Mas também quer dizer repressão, por meio de coação e uso da força, das ideias que desaprovamos. A famosa afabilidade pela qual o provo brasileiro é cantado e poetizado já foi bem questionada; afinal, um passado recente de convivência pacífica com escravidão e outras violências praticadas institucionalmente tiram a graça de qualquer rima. No entanto, de uns tempos para cá, parece que uma caixa de novas práticas de intolerância foi aberta na sociedade.

Em 1º de agosto, seis imigrantes haitianos foram baleados com chumbinho, em São Paulo. O caso é nebuloso e segue inconcluso. Em uma das versões, os agressores teriam passado em um carro gritando: “Haitianos! Haitianos!”. Dias antes, um carro havia arremessado uma bomba caseira de pregos e parafusos na porta do Instituto Lula, também em São Paulo. Ninguém ficou ferido, mas o artefato abriu um buraco no portão de metal do escritório de trabalho do ex-presidente. Os autores do atentado ainda não foram identificados. Nos dias 8 e 11 de agosto, usuários e motoristas do Uber relataram ter sofrido intimidação e agressão física por estarem usando o serviço, em Belo Horizonte e São Paulo. Nenhum dos agressores foi encontrado. E a tensão em torno do aplicativo não para de crescer.

Cenas do ódio. Passageiro do Uber agredido (esq.); bomba no Instituto Lula; transexual atacada em SP; haitianos baleados, também em SP
Cenas do ódio. Passageiro do Uber agredido (esq.); bomba no Instituto Lula; transexual atacada em SP; haitianos baleados, também em SP

Para a filósofa, poeta e psicanalista Viviane Mosé, os intolerantes não são exclusividade brasileira. O mundo passa por um período de mudanças culturais propiciadas pelas novas tecnologias, e o futuro, constantemente retratado como distopia, nunca foi tão incerto. Ninguém sabe direito como lidar com o momento e a resposta da sociedade tem sido, muitas vezes, violenta. No caso brasileiro, contudo, ela vê um agravante: a polarização política, a falta de lideranças, a ausência de propostas. Quão fundo é o buraco? Como sair dele? “Produzindo acordos, pactos sociais. Estamos sem direção e só vamos tê-las se compusermos forças, em vez de tentar encontrar um salvador”, ela diz. E concordando com a escritora italiana Natalia Ginzburg (1916-1991), cujo livro As Pequenas Virtudes (Cosac Naify) acaba de ser relançado, salienta que ou valorizamos as grandes virtudes ou não haverá sociedade.

A intolerância aumentou no Brasil ou sempre fomos um país assim?

Nem lá nem cá. O Brasil também tem uma forte tradição pacifista. Vamos falar do fenômeno do Uber. O Uber é uma inovação tecnológica excelente para a sociedade: diminui o CO², aumenta o convívio com as pessoas, é uma economia. Só que essa inovação desfaz um território estável, que era o do taxista. Então, essa profissão antiga se vê, de uma hora para outra, fadada à destruição. A indignação é compreensível. Mas não há ninguém na sociedade brasileira fazendo a mediação entre essas duas forças. Se você percebe que uma determinada profissão está em crise por uma inovação que é boa, o papel do Estado, da universidade, da imprensa é propor um encaminhamento. Mas ninguém propõe nada. Todos perdidos, ficamos uns a favor do Uber, outros a favor dos taxistas. Mas os dois têm razão! Quem é que vai fazer a ponte se os dois têm razão? Inovações tecnológicas sempre deixam um rastro de destruição. Mas tem solução para isso: é produzir acordos, pactos sociais. Esta é a sociedade que devemos desejar, a sociedade da colaboração e do acordo. Quanto mais acordo, melhor. Sair da pirâmide do culpado é essencial.

A forte polarização política tem relação com a intolerância?

Sem dúvida. Pensando filosoficamente, o que faz a gente se ordenar são valores e expectativas. Tem todo um jogo social que diz: “Se você se mantiver estável, o Estado também te devolve estabilidade”. Mas, se as instituições não têm estabilidade, isso desaparece e nos dá a sensação de que a cultura não nos sustenta mais. Qual deveria ser o passo num momento como esse? O de encaminhar a cultura para uma direção. É necessário apontar saídas. E não é só o Estado ou a imprensa ou a universidade que não estão fazendo isso. Ninguém está. Ninguém dá direcionamento. Só se joga pedra. E jogar pedra é perigoso, especialmente em um Brasil dividido politicamente.

As manifestações de junho de 2013 também entram nesse pacote?

Claro que entram. Colocamos 2 milhões de pessoas na rua. Mas esse movimento não teve prévia de direção política. Nada. Nós colocamos pessoas na rua manifestando sua pura indignação. E indignação é afeto, não direção. Afeto quer dizer afetar e ser afetado. É movimento. Construímos um movimento, multiplicamos por 2 milhões e mandamos para a rua. Isso gerou, sem dúvida, o ódio. Se você manifesta a indignação, que é justa, mas apenas afetiva, e se ela não tem direção, a canalização é necessariamente violenta. A gente provocou um movimento justificado, mas ninguém apresentou propostas.

Nem surgiram lideranças.

Esse é o maior problema do Brasil hoje: a ausência de lideranças, especialmente políticas. Não há ninguém canalizando o incômodo que o governo causa em grande parte da população. Apesar de o senador Aécio Neves ter sido bem votado, não há posição dele para nada e em nenhuma direção. Ele só faz o que a população, a imprensa e a universidade já fazem: critica. A oposição não existe no Brasil, em nenhum grau. Às vezes o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso escreve algo que parece coerente, mas ele não está mais na disputa política, entende? Ele está fora. Como é que o Aécio Neves, que polarizou com a Dilma na eleição, sempre se posiciona na imprensa? Joga pedra, quando o mais necessário nessa hora é que se apontem caminhos. Desse ponto de vista, a coisa está mais para jogo de time único e não um Fla-Flu, como dizem.

Como assim? A polarização existe, acabamos de falar dela. 

Existe um tremendo desgaste por causa da corrupção. Mas não há proposta. O governo tem lá a sua posição, que é a que parte da população rechaça. Da oposição não vem nada além de pedra. Essa situação criou um time único que repete feroz e exaustivamente: “Isso aí não presta”. Isso é muito preocupante, porque a ausência de vazão para essa força gera violência. Em períodos de grande impunidade, em que políticos e criminosos comuns não são presos, também se gera violência. Mas a questão é que nós estamos vivendo um tempo histórico de punições, e não de impunidade. Pela primeira vez, políticos e até empresários estão indo para a cadeia. É um fenômeno único na história do Brasil. A gente deveria estar feliz. Portanto, o que está gerando violência não é a impunidade, mas a ausência de perspectiva e vazão de uma força que desde 2013 se manifestou e ninguém conseguiu ainda canalizar. Agora é hora de os formadores de opinião manterem a coerência e ajudarem a sociedade a se localizar, a pensar, porque caminhamos para o caos. É preciso ter coragem de intervir, de esclarecer honestamente a situação, mesmo sabendo que se pode sofrer represália. Temos que produzir acordos, não apostar no caos. O impeachment da presidente significaria a desestruturação ainda maior das instituições. Acho essa conversa de impeachment uma irresponsabilidade. É jogar sem perspectivas. E onde falta perspectiva sobra violência.

Chile e Argentina julgam e punem seus agentes da ditadura. O Brasil não. Isso tem relação com o clima de ódio e intolerância?

Para seguirmos como democracia precisamos ter clareza de quem fez o quê ao longo da história. E é bom você ter tocado nesse ponto, porque uma coisa que me incomoda é a convivência tranquila com algumas situações. Por exemplo, eu não admito estar em um lugar onde uma pessoa levanta placa pedindo a volta do regime militar. Mas às vezes parece que está tudo bem, que isso já está resolvido. Não está! Quando a Europa fez um museu do holocausto, muita gente ficou chocada. Mas era para lembrar as coisas que a gente não quer repetir. A ditadura deveria ser uma dessas coisas aqui. No entanto, o que vivemos hoje não é consequência direta disso.

É do que então?

A questão é a mudança da tecnologia no mundo. Passamos de uma sociedade fundamentada no modelo de pirâmide – onde um manda e os outros obedecem – para viver numa sociedade em rede, cujos poderes se relacionam horizontalmente. Tanto é que, quando esse poder horizontal funcionou, 2 milhões de pessoas foram para a rua. As manifestações de 2013 foram consequência de um efeito viral da internet, o que não é ruim, mas com pessoas educadas por um modelo de educação fundamentado no regime militar, que é abstrato e não discute o mundo. A universidade não discute questões sociais. A formação do brasileiro é péssima. E não é a educação básica, é a educação nas universidades públicas e privadas. Ela é distante da realidade, não forma lideranças. Resumindo, nós levamos para a rua pessoas indignadas e bem-intencionadas, mas com formação política e intelectual zero. Isso sim gera ódio, intolerância, violência.

E você acha que estamos dando o peso devido à gravidade dessas demonstrações de ódio, intolerância e violência? 

Não estamos. Somos incapazes de analisar esses fatos de maneira mais elaborada. Se alguém joga uma bomba no Instituto Lula, por exemplo, as pessoas que não gostam dele aplaudem. Aplaudem! Elas não têm noção de que, aplaudindo ou minimizando, estimulam uma violência que hoje é contra o seu alvo preferido, mas amanhã pode ser contra elas mesmas. É um ex-presidente da República com seu escritório bombardeado. Amanhã vão bombardear o quê? Ignorar isso é uma leviandade. Essa polarização nos torna burros. Não conseguimos dar o verdadeiro valor às coisas porque estamos cegos politicamente. Cegos por uma paixão que nos diz que aquilo é o mal e aquilo é o bem. Só que bem e mal são misturados. A gente não está tendo essa sofisticação de leitura para nenhum fenômeno brasileiro atual. Durante as manifestações de 2013, aqui no Rio, uma professora da UERJ foi pega com bombas caseiras e acabou presa com alguns estudantes. Eram rojões cheios de pregos. Não precisamos usar aquelas pessoas como bodes expiatórios, mas devemos esclarecer à sociedade: isso é um gesto terrorista e é inaceitável sob quaisquer circunstâncias. Mas a gente finge que nada acontece. É a banalização da violência movida por cegueira política.

Alguém disse que ninguém nasce odiando, é ensinado a odiar. É isso mesmo?

É o contrário. O ódio é o excesso moralizado como mal. Se você tem alegria em excesso pode ser violento também. O problema do homem não é o ódio, mas o excesso. Todos nós nascemos com excessos e eles precisam ser canalizados. Se uma criança é deixada sozinha, ela vai pegar um animal e comer cru. O que a gente aprende é valor moral, só diminuímos a violência por causa da formação moral. Se ninguém nos convencer de que vale a pena dizer “não” a nós mesmos, seremos violentos.

Isso me faz lembrar do livro As Pequenas Virtudes, da escritora italiana Natalia Ginzburg. Para ela, os pais se preocupam mais em ensinar as pequenas virtudes aos filhos, em vez das grandes.

Não conheço o livro, mas está perfeito. A grande virtude é: valorizar a vida. O maior problema contemporâneo é a desvalorização da vida. A gente atribui todos os males à cultura, mas confunde a cultura com a vida, quando, na verdade, o grande valor é estar vivo. O que está em decadência não é a vida, é a cultura. E a cultura é niilista porque ela não valoriza exatamente a vida. Então, quais são as grandes virtudes? Existir, viver, compartilhar, se solidarizar. Em vez disso valorizamos as pequenas, como não jogar lixo no chão. Não jogar lixo no chão é nada, um ato que só é grande se estiver envolvido num valor maior, que é proteger o ser humano, as cidades. Por valorizarmos a mesquinharia da virtude, e por não sermos capazes de discutir a grande virtude, canalizamos o incômodo para a cultura, como se ela fosse o problema. Mas não há cultura que possa resolver as nossas frustrações. Ou a gente aprende a lidar com elas ou não haverá sociedade.

As redes sociais dão vazão ou alimentam a intolerância?

A razão dessa mediocrização da sociedade são justamente as redes sociais. Principalmente o Facebook. Ele nasceu para reunir amigos, certo? Só que a gente discute política ali. E discutir política entre amigos é sectário. Na eleição passada, um fulano me disse que tinha certeza de que tal candidato iria ganhar a eleição. Só que era um candidato sem representatividade. E esse fulano baseou a afirmação no que ele tinha lido na internet. O problema é que não era “a internet”, mas apenas uma rede social, um ciclo de amigos. Você tem uma web de A a Z à disposição, ela te dá o que você quiser, e, no entanto, você escolhe ficar esperando o que os seus amigos, os que pensam como você, mandam. Você lê e compartilha sem sequer conferir a fonte, afinal foi um amigo que mandou. No final do século 19 o Nietzsche falou do niilismo passivo, que o máximo da descrença na cultura é quando não há mais líderes, apenas rebanho. Eu acredito que as redes sociais de amigos são responsáveis por esse sectarismo e por essa polarização. Elas não ajudam a desenvolver a inteligência complexa necessária para o mundo contemporâneo. Aí surge o que eu chamo de “fascismo do bem”: a gente joga bomba em nome do bem, espanca em nome do bem, mata em nome do bem.

O lado perverso da tecnologia.

A partir da segunda metade do século 20, não houve interesse em desenvolver a nossa intelectualidade, nossa capacidade crítica, nossa sensibilidade artística. Só se desenvolveu a tecnologia. O resultado é uma tecnologia elaborada, mas um ser humano medíocre intelectualmente. Essa fórmula tem necessariamente que mudar. A educação precisa ser crítica, sensível, abrir a cabeça para o que a humanidade fez e faz de melhor, com elegância, sofisticação, e sem deixar de chamar atenção para os abismos sociais e ambientais. Ou a gente faz isso ou essa violência dispersa nas redes sociais toma conta. E ela está já tomando conta.

Qual a melhor maneira de lidar com os conteúdos violentos e intolerantes nas redes sociais? Vigiar? Punir? Bloquear? Censurar?

Ridicularizar. Não tem como censurar, porque ele sempre aparece com outro nome. Temos uma mídia que nos permite expor tudo, o nosso melhor e o nosso pior. Não podemos impedir que tudo esteja exposto. Perda de tempo. Em vez de impedir a presença do mal, ou do que nos incomoda, é melhor ensinar a fazer a escolha do caminho afirmativo. É possível fazer isso. Se as grandes virtudes fossem cultivadas, a gente relacionaria facilmente a bomba no Instituto Lula, num momento em que o PT está em crise, com a violência generalizada de uma sociedade que pode nos levar ao caos. É esse tipo de conversa que soluciona o nosso problema.

Como se sai desse cenário de intolerância?

Para viver bem, a gente precisa valorizar a diferença. Não é mais o bem e o mal, o certo e o errado. É conviver com a multiplicidade. Só que está tudo muito polarizado, que é o contrário do que precisamos. Valorizando as grandes virtudes, que, no fim, são a convivência com o diferente e a vida, a gente estabelece um valor moral que se chama diálogo, sustentabilidade. Ser sustentável é saber que tudo retorna. Esse círculo é exatamente o lugar do acordo. Por exemplo: a gente só consegue resolver a violência na escola se entender que, no caso do bullying, a pessoa mais importante é a que trabalha na portaria, na limpeza. Porque a criança não faz bullying na frente da diretora, se sente constrangida. Mas faz na frente do porteiro e da moça da limpeza. Isso acontece porque não se valoriza o saber e o olhar dessas pessoas. Pelo contrário, se menospreza. Mas elas devem ser igualmente ouvidas. Isso é ser sustentável, ter respeito e desejar o acordo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s