Yuan entra no clube das moedas fortes

Segunda maior economia do planeta e detentora da maior fatia do comércio global, a China conseguirá amanhã uma vitória crucial em seu esforço de internacionalizar o yuan e transformá-lo em uma moeda de reserva global que possa desafiar a supremacia do dólar. Reunida em Washington, a diretoria do Fundo Monetário Internacional (FMI) deve aprovar a inclusão do yuan na cesta de moedas utilizadas pela instituição em empréstimos emergenciais para complementar as reservas de seus países membros.

A entrada do yuan no clube integrado por dólar, euro, libra esterlina e iene reflete o crescente peso da China no comércio global e a expansão do uso do yuan em pagamentos internacionais. No ano passado, o país asiático superou a União Europeia e respondeu pela maior fatia das exportações e importações mundiais, com 15,5%. Em 2014, a China aparecia em terceiro lugar no ranking, com 8,9%.

Há três anos, o yuan era a 12.ª moeda mais usada em pagamentos globais, segundo dados da Society for Worldwide Interbank Financial Telecommunication (Swift), responsável pela rede que permite o envio de dados sobre movimentações financeiras entre instituições bancárias. Desde então, o yuan subiu sete posições e entrou no grupo das cinco moedas mais usadas em transações internacionais. Com uma fatia de 2,45%, ele aparecia no mês passado atrás do iene (2,88%), da libra esterlina (9,02%), do euro (28,53%) e do dólar (43,27%).

 
 

A decisão de amanhã atenderá a uma antiga aspiração chinesa, que esperava a entrada do yuan na cesta de moedas em 2010, quando foi realizada a última revisão da composição dos Direitos Especiais de Saque (SDR, na sigla em inglês), uma espécie de moeda internacional que pode ser usada para complementar as reservas dos membros do FMI. Com isso, os empréstimos emergenciais desse tipo feitos pela instituição passarão a ter participação do yuan, em porcentual que será definido amanhã.

Mercado. Além de elevar o status da moeda chinesa, a mudança é importante pelas repercussões de longo prazo na economia do país asiático. Para que o yuan entre no clube do SDR, o governo chinês se comprometeu com uma série de reformas em seu sistema de câmbio e de transações internacionais, com gradual liberalização das contas correntes e de capitais, na direção de uma economia mais aberta e mais exposta às forças de mercado.

Um desses ajustes foi a mudança no cálculo da cotação do yuan adotada em agosto, que levou à maior desvalorização da moeda desde 1994. Interpretado pelo mercado como um sinal de nervosismo das autoridades de Pequim em relação à desaceleração da economia do país, o movimento estava relacionado à exigência do FMI de um sistema de câmbio menos controlado.

“A decisão do FMI fortalecerá os reformadores na China”, disse ao Estado o economista David Dollar, que foi diretor do Banco Mundial na China de 2004 a 2009 e hoje está no Brookings Institution, em Washington. “É um sinal importante.”

Em artigo publicado na revista Caixin no dia 10 de novembro, o presidente do Banco do Povo da China, Zhou Xiaochuan, disse que as autoridades de Pequim adotarão uma série de reformas com o objetivo de tornar o yuan uma moeda internacional livremente conversível até 2020. Entre as mudanças, ele mencionou a redução das restrições sobre o mercado de capitais e maior transparência e previsibilidade na comunicação do Banco Central.

Três dias depois da publicação de seu artigo, a diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, divulgou nota na qual defendeu a inclusão da moeda chinesa no SDR. Segundo ela, técnicos do Fundo concluíram que o yuan atende os critérios definidos pelo Fundo e recomendaram à diretoria que aprove a mudança na reunião de amanhã.

Reserva. Para as autoridades chinesas, a decisão é um passo crucial no objetivo de longo prazo de transformar o yuan em uma moeda de reserva internacional. Apesar de ter a segunda maior economia do mundo e liderar as transações comerciais globais, a China possui uma moeda com participação irrisória nas reservas detidas por bancos centrais de todo o mundo.

O dólar continua a ser dominante, com um porcentual de 63,75%, seguido do euro, com 20,51%. Em seguida aparecem a libra esterlina (4,69%), iene (3,83%), dólar canadense (1,92%), dólar australiano (1,9%) e franco suíço (0,3%). Não há dados específicos sobre o yuan, que é incluído em “outras moedas”.

A composição do SDR é revista a cada cinco anos. Para ser incluída na cesta, uma moeda deve ser emitida por um país que esteja entre os líderes do comércio global nos cinco anos anteriores – exigência que a China atende há mais de uma década.

Mas, em 2010, o FMI impôs um requisito adicional: a moeda deve ser “livremente utilizável”. Isso não significa que ela deva ser livremente conversível, mas sim que seja “amplamente usada” em transações internacionais e “amplamente negociada” nos mercados de câmbio. Na revisão feita naquele ano, a conclusão foi a de que o yuan ainda não atendia à segunda exigência.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s