‘Uruexit’: o Uruguai se afasta do Mercosul

leia no original:  http://brasil.elpais.com/brasil/2016/12/23/economia/1482447953_714254.html?id_externo_promo=ep-ob&prm=ep-ob&ncid=ep-ob

Com um pequeno mercado e depois de comprovar que não terá a proteção dos seus vizinhos, o Uruguai sente a necessidade de se abrir para o mundo

O Governo do Uruguai pretende avançar na assinatura de um tratado de livre comércio com a segunda economia mais poderosa do mundo, a China, depois de selar um acordo semelhante com o Chile este ano. A atual estratégia de diversificação de acordos fora do Mercosul, algo impensável há uma década, quando a associação com o Brasil, Argentina e Paraguai, era a prioridade política e econômica do país. Mas em menos de 10 anos, o Mercado Comum do Sul se deteriorou a tal ponto que o consenso no Uruguai é total – da esquerda à direita: é necessário se afastar de uma “jaula fechada para o mundo”, como já é classificado nos ambientes políticos e financeiros.

As razões que levam a valorizar os benefícios do Uruexit são, essencialmente, econômicas: na última década, o comércio entre os sócios do Mercosul diminuiu, as negociações com a União Europeia, Estados Unidos e China fracassaram e o crescimento da região é menor do que no resto da América Latina.

Em seu caminho, os uruguaios enfrentaram o veto do líder indiscutível na América do Sul, o Brasil, que essa semana fechou a porta para que o Mercosul autorizasse as negociações do vizinho com a China. A legislação do bloco comercial impede negociar tratados bilaterais sem que seus membros tenham alcançado um consenso prévio. A segunda economia do clube comercial, Argentina, mostra-se um pouco mais flexível, mas defende um acordo com a potência asiática dentro do Mercosul. Finalmente, o Paraguai apoia as reivindicações uruguaias com o argumento da defesa dos interesses dos países pequenos do organismo.

O presidente uruguaio, Tabaré Vázquez, respondeu que vai prosseguir com seus planos: os uruguaios estão convencidos de que o século XXI vai passar pela China e acreditam que o Mercosul nunca vai assinar um pacto com o gigante asiático, especialmente levando em conta que o Paraguai ainda nem tem relações diplomáticas com a China. Daí os temores expressos pelo ministro de Economia uruguaio, Danilo Astori, que esta semana expressou publicamente seu medo de que Pequim decida suspender o tratado de livre comércio sem a aprovação de Brasília.

Mas o certo é que, enquanto isso, Pequim avança na transformação do Uruguai em uma de suas plataformas de operações para a América Latina. Em dezembro, três delegações chinesas de alto nível visitaram Montevidéu e assinaram um conjunto de acordos setoriais: para a importação de soja para consumo humano e blueberries, e de intercâmbios culturais. O país asiático já é o primeiro destino das exportações do Uruguai (especialmente soja para alimentação animal e carne), enquanto que a percentagem de comércio representado pelos vizinhos do Mercosul vai diminuindo. O Brasil continua sendo o segundo maior sócio comercial do Uruguai, mas sua severa recessão, as desvalorizações competitivas e o protecionismo econômico desenham um cenário de estagnação.

Uruexit em andamento

A situação com a Argentina, outro país que não passa por seu melhor momento econômico, é ainda mais delicada. A chegada ao poder de Mauricio Macri fez pensar que as relações, tensas entre Montevidéu e Buenos Aires durante os governos de Néstor e Cristina Kirchner, poderiam melhorar. Entre 2011 e 2015, as vendas de empresas uruguaias para a Argentina passaram de 600 milhões de dólares anuais para 450 milhões. Mas neste 2016, esses números historicamente baixos se reduziram ainda mais: caíram 10%, chegando a 341 milhões de dólares. Em comparação, em 2015 o Uruguai vendeu produtos para a China no valor de 2,1 bilhões de dólares. Assim que chegou à presidência da Argentina, Macri levantou uma série de decisões que bloqueavam as relações bilaterais, incluindo a proibição de que navios argentinos ancorassem em portos uruguaios. Mas as medidas protecionistas que impedem a entrada de produtos uruguaios foram mantidas, de acordo com dados das câmaras empresariais.

Com um mercado minúsculo, de 3,3 milhões de habitantes, o Uruguai sente a necessidade de se abrir para o mundo após comprovar que não vão gozar da proteção de seus imensos vizinhos. Por enquanto, o Governo de Montevidéu pede medidas para flexibilizar os estatutos do Mercosul. Na prática, o Uruexit está em andamento.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s